Redes Sociais e Mídias Sociais - O QUE SÃO?

Por Ismaellx Terça-feira, 10 de Outubro de 2017

redes sociais

Já parou para pensar o que são de verdade as redes sociais? Se perguntarmos para qualquer pessoa na rua, provavelmente, a resposta será Facebook, como a principal nos dias atuais. Correto?

Na verdade, redes sociais são objeto de estudos desde tempos primórdios. Por exemplo, Carl Landé, em 1977 (muito antes do Facebook, do Orkut e da internet como conhecemos hoje), em seu texto Introduction: the dyadic basis of clientelism, diz que:

“Mais extensas e mais inclusivas que relações diádicas ou grupos diádicos não-corporados, são as redes sociais. As redes têm sido definidas como ‘matrizes de conexões sociais’ ou como ‘campos sociais constituídos de relacionamento entre pessoas’. Elas incluem todos os indivíduos que se encontram em um determinado campo e quem está em contato direto ou indireto entre si. Ou seja, incluem todos indivíduos que estão conectados diretamente com, pelo menos, um outro membro da rede.”

Ou seja, podemos considerar como uma rede social a nossa família, o nosso grupo de colegas de trabalho ou a nossa sala de aula. Onde houver um grupo de pessoas dentro de um contexto e com contato com, pelo menos, outro membro da rede, teremos uma rede social (note que em momento algum foi citado Facebook, Orkut, MySpace, So.cl, Google+ ou outro nome parecido).

Desta forma, observamos que o fator principal para a constituição de uma rede social é o relacionamento entre pessoas, independente de haver ou não um computador ou smartphone entre elas.

redes sociais

Para entendermos de redes sociais, primeiramente, precisaremos entender de seres humanos criando uma interação social, que se tornam redes de interação cultural, com trocas entre esses atores sociais, como explica Ana Lúcia S. Enne, em Conceito de rede e as sociedades contemporâneas, 2004.

Quando nos referimos a sites como Facebook, estamos nos referindo a ferramentas de redes sociais, onde há um espaço digital que proporciona aos usuários a interação entre membros de uma rede para se conectarem e interagirem. E essas ferramentas só têm alguma utilidade se houver pessoas usando os seus recursos para se comunicarem.

Quanto às ferramentas de mídias sociais, estas são canais de distribuição de conteúdo sem necessariamente terem o foco na interação entre esses atores sociais. O YouTube, por exemplo, é uma mídia social de distribuição de conteúdo de vídeo onde os usuários interagem nos comentários atrelados a um vídeo (objeto principal da plataforma). Da mesma forma ocorre com o Instagram, que é um canal de distribuição de imagens e vídeos de curta duração. No caso das ferramentas de redes sociais, o foco é exatamente a interação entre pessoas e estas ferramentas de redes sociais são um dos tipos de mídias sociais, como é o caso do Facebook, Google+ e, no passado, do Orkut.

Entendendo que quem faz a boa ou má fama de uma rede é o usuário que a utiliza, entendemos que as redes sociais e as mídias sociais não são sobre tecnologia, elas são sobre pessoas e seus comportamentos em seus ambientes.

Quando uma empresa vai pensar numa estratégia para a sua marca nas mídias sociais ou mesmo quando alguma pessoa física resolve escrever algum texto, publicar uma foto ou vídeo, ela pensa em quem ela quer atingir com aquela comunicação visual e ela, mesmo que de forma empírica, analisa quem é o seu público-alvo, pensando no gênero, na faixa etária, nos interesses desse público para que consiga receber muitos likes (curtidas) no seu post.

Isso mostra que mais do que entender do funcionamento de uma tecnologia, é entender do comportamento que o ser humano adota nos diferentes canais de distribuição de conteúdo via texto, imagem ou som, o que nos leva à necessidade de compreender um pouco sobre psicologia (ciência que trata dos estados e processos mentais, do comportamento do ser humano e de suas interações com um ambiente físico e social), de sociologia (estudo científico da organização e do funcionamento das sociedades humanas e das leis fundamentais que regem as relações sociais), filosofia no âmbito da relação entre teoria e prática (pensamento inicialmente contemplativo, em que o ser humano busca compreender a si mesmo e a realidade circundante, e que determinará o seu caráter prescritivo ou prático, voltado para a ação concreta e suas consequências éticas, políticas ou psicológicas), ou seja, os seus papeis sociais dentro de um contexto.

Imagem/montagem: Tarcízio Silva

Ou seja, mídias e redes sociais não são sobre tecnologia, elas são sobre pessoas e seus comportamentos nos seus ambientes.

 

Texto: Leandro Hipólito

Comentários